fbpx

Personas: Muito mais do que assistentes virtuais

Cada vez mais humanizadas, elas caíram nas graças do público e alcançaram o status de influenciadores digitais. Mercado está em expansão e tem novas apostas.
6 min. de leitura
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Robô com expressão amigável, com os braços levantados
Imagem: Pexels

A  humanização no atendimento virtual associada ao aprimoramento das tecnologias e ao olhar apurado às mudanças de comportamento da sociedade abriram espaço no mercado para um novo perfil de influenciadores: as personas virtuais. 

As empresas brasileiras aderiram à proposta. De acordo com o levantamento “The Top Instagram Virtual Influencers in 2019”, o país é o segundo no ranking mundial com maior número de influencers digitais, atrás apenas dos Estados Unidos. Os resultados são satisfatórios, afinal, o mesmo estudo comparou que a taxa de engajamento das personas virtuais é três vezes maior em comparação com influenciadores digitais de carne e osso.

Nesse time estão nomes que são queridinhos do público brasileiro, como a Lu do Magazine Luiza, o CB das Casas Bahia e a Nat da Natura. Se, inicialmente, a concepção de cada um deles tinha uma proposta direcionada exclusivamente ao marketing dessas empresas, agora, conquistaram o status de celebridades.

Essa afeição do público os torna casos de sucesso para as empresas, afinal, é uma demonstração prática do estreitamento da relação entre o consumidor e a marca. E isso só é possível quando a personalidade atribuída ao bot é capaz de promover uma identificação com o público.

Quem é a Lu do Magazine Luiza?

Influenciadora Digital Lu do Magalu
Imagem: Reprodução/Instagram

Criada em 2003 com a proposta de humanizar a experiência do consumidor nas compras realizadas via e-commerce da marca, a Lu tornou-se um fenômeno na internet. Reunindo linguagem e trejeitos que transbordam simpatia e carisma, ela conquistou muitos fãs no Instagram, no Twitter, no Facebook e no TikTok.

Hoje é considerada a primeira influencer virtual do Brasil. Durante palestra realizada no Social Media Week, em 2019, na Escola Superior de Publicidade e Marketing (ESPM), o gerente sênior de conteúdo e redes sociais do Magazine Luiza, Pedro Alvim, atribuiu o sucesso de Lu à humanização do bot. “Não adianta ter só uma boneca virtual. É preciso ter coração e cérebro.”

No Instagram, a Lu denomina-se como “influenciadora virtual 3D, especialista digital do Magalu e criadora de conteúdo.” Ela fala dos assuntos do momento, aparece em fotos com famosos e faz postagens para algumas marcas. Em junho de 2020, estrelou uma campanha publicitária da Zattini, e-commerce de moda da Netshoes.

A transformação do Baianinho das Casas Bahia

Personas de Marca: Baianinho das Casas Bahia
Imagem: Reprodução/Instagram

Criado na década de 1960, como uma espécie de mascote das Casas Bahia, o Baianinho passou por várias repaginadas ao longo dos anos. A mais recente ocorreu em 2020, quando foi apresentada a sua versão jovem.

A apresentação do CB, como agora é chamado, foi tema de matérias em diferentes veículos de comunicação. De acordo com  a Via Varejo, que é responsável pela marca Casas Bahia, a transformação do Baianinho no jovem teve a proposta de humanizar o relacionamento com os consumidores e reflete o novo posicionamento da empresa, focado em sustentabilidade e em causas sociais.

No Instagram, CB se descreve como “apaixonado por games, cultura pop, sustentabilidade e brasilidades”. Com uma linguagem jovem, ele é antenado com os memes, curte o som da Ariana Grande, faz fotos com celebridades e é porta-voz de causas sociais. 

De bot à mãe de gato: conheça a Nat da Natura

Brand Persona: Nat da Natura
Imagem: Reprodução/Twitter

Em 2016, a Natura criou um bot apenas para o Facebook que apresentava opções de presentes para o público consumidor. Foi assim que nasceu a Nat. Aos poucos, ela foi ganhando novas funcionalidades, assumindo funções como renegociação de dívidas, atendimento às solicitações de segunda via de boletos e status de pedidos e pagamentos.

Hoje a Nat também passou de assistente virtual para influenciadora. Possui um perfil próprio no Twitter com quase 200 mil seguidores. Ela se apresenta como “consultora de beleza Natura, porta-voz da marca no Twitter, influenciadora digital, apoiadora de causas sociais e ‘mãe’ do gatinho Murumuru.”

Seus tweets falam sobre dicas de beleza, assuntos do momento e, também, evidenciam causas sociais e ambientais. Nat já postou até uma imagem de maiô na praia para lembrar que os corpos são diversos e todos têm o direito de serem livres.

Humanização como ferramenta de marketing

A humanização de chatbots e assistentes virtuais busca melhorar a experiência do consumidor. A tecnologia pode facilitar muito a vida das empresas e dos clientes, dando mais agilidade ao atendimento, filtrando questões mais simples – que podem ser resolvidas sem a necessidade de atendimento humano – daquelas mais complexas e que exigem esse suporte.

No entanto, é importante que essa experiência seja positiva. Não é porque o atendimento é virtual que ele não deve ser atencioso, empático, envolvente e, principalmente, eficiente. As empresas que entenderam isso estão conseguindo agradar e cativar os consumidores.

O fato de assistentes virtuais ganharem o status de influenciadores mostra essa aceitação do público, que escolhe interagir com essas personas no dia a dia, pelas redes sociais, mesmo quando não buscam um atendimento direto com a empresa.

Como humanizar o atendimento virtual

Como humanizar o atendimento virtual de chatbots
Ilustração: Freepik.com

A humanização de um atendimento virtual, seja por meio de chatbot ou por assistentes, tem início na idealização do projeto. Assim, em todo o processo de elaboração será considerada a perspectiva do cliente. Confira algumas dicas:

  1. O usuário em primeiro lugar: é preciso entender quem é o seu público-alvo, qual o contexto dele e quais soluções ele busca para desenvolver um bot que possa atendê-lo. Como o propósito é a satisfação desse usuário, é necessário pensar sob a perspectiva dele.
  2. Construção da personalidade: deve ser feita com base na identidade e no posicionamento da marca. Mas, inicialmente, deve ser agradável, simpática e prestativa.
  3. Atenção à comunicação: aqui devem ser observados desde o uso de uma linguagem compatível com a empresa, o personagem criado e o público-alvo até o conteúdo e o tom das interações. O atendimento é um bate-papo que precisa ser compreensível e ter fluidez.
  4. Procure profissionais especializados: criar uma ferramenta que traga os resultados desejados requer conhecimento em tecnologia, experiência do usuário, serviços e outras áreas da comunicação. Invista em profissionais que dominem o assunto para evitar transtornos.
  5. Invista em melhoria contínua: nenhum case nasce da noite para o dia. As histórias de sucesso da Lu, do CB e da Nat mostram isso. O aprimoramento ocorreu ao longo do tempo com a incorporação de melhorias, funcionalidades e, até mesmo, mudanças no visual. As tecnologias avançam e os atendimentos virtuais precisam se adaptar às mudanças.

Promessas do mercado nacional

Influenciadores Digitais: Promessas do mercado nacional
Imagem: Reprodução/Instagram

O mercado de influenciadores virtuais ainda tem muito para crescer no Brasil. Especialistas apontam que, com a redução dos custos para a criação de modelagens 3D, as marcas devem buscar cada vez mais personas virtuais para divulgarem seus produtos.

Isto significa não só a “ascensão” de assistentes virtuais, como a criação exclusiva de personagens para a função. De qualquer forma, alguns nomes no mercado nacional já despontam com muito potencial para desempenhar esse papel. Confira alguns:

  • Ully da Ultragaz: eleita por votação popular, foi escolhida como assistente virtual da marca em 2020. Ela é descrita como brasileira, com 36 anos, mãe, formada em Comunicação Social e funcionária da empresa há bastante tempo. Muito carismática, já figura entre os Top 10 da categoria Brand Persona do prêmio iBest.
  • Rê da Rexona: a assistente virtual é a especialista de proteção da marca, responsável por tirar dúvidas e dar orientações aos consumidores. Foi lançada em 15 de outubro de 2020, Dia Mundial de Lavar as Mãos, numa ação super importante em tempos de pandemia da Covid-19. Simpática e inteligente, também está na lista dos dez nomes da categoria Brand Persona do Prêmio iBest.
  • Mara da Amaro: é a modelo virtual da marca. Criada em 2020, sua confecção envolveu uma equipe multifuncional de 16 pessoas, como informa o site da empresa. Mara tem 29 anos, é super elegante e apresenta os looks da Amaro. Também está no Top 10 da categoria Brand Persona do prêmio iBest.


E aí, rolou aquela inspiração para criar a Brand Persona da sua marca?

A gente criou uma Calculadora para criação de Brand persona. Ela pode te ajudar a dar os primeiros passos. Experimente aqui. Depois nos conte o que achou!

Conheça as soluções que a Getbots pode fazer para o seu negócio em getbots.com.br

Avalie este artigo

Quantas estrelas este artigo merece?
0 / 5

Sua avaliação:

Compartilhe este post:
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no email
E-mail
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no email
E-mail

Veja também

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Faça uma busca no Blog: